Histórico
 29/04/2007 a 05/05/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 12/11/2006 a 18/11/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 27/11/2005 a 03/12/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 27/02/2005 a 05/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 02/01/2005 a 08/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 12/12/2004 a 18/12/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 03/10/2004 a 09/10/2004
 26/09/2004 a 02/10/2004
 19/09/2004 a 25/09/2004


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Boca Depende Muito do Humor...
 Blog do Diego
 Pseudoblog


 
Diário de Uma Adoradora


Dedicado a mim...

 

Um querido amigo me escreveu este depoimento, que amei:

"da vez primeira que vi ana, não falei nada. das outras vezes também foi assim. mas com o passar do tempo, o apenas 'oi' foi se transformando em conversas e mais conversas. às vezes pessoalmente, na livraria que hoje é apenas uma lembrança. outras, pelo msn, ou até mesmo por e-mail.

o que eu aprendi com ana não cabe nesse pequeno espaço, mas dá para - tentar - rabiscar: ética, responsabilidade, personalidade. outras coisas mais aprendi com ela. mas o mais importante, que jamais poderia esquecer (e não vou) é a verdadeira expressão da palavra amizade.

convivemos alguns poucos meses ao vivo e agora, longe fisicamente, ela faz uma falta do tamanho do mundo".

 

Obrigada, Michel. Muito, muito grata. Sanca não vai se apagar de minha memória. Muito menos você.

 

 



Escrito por Adoradora às 16h03
[] [envie esta mensagem]



Novos rumos na vida me distanciam do virtual,

e alegremente me encharcam de realidade.

Não sinto falta de escrever.

Na verdade, não sinto falta de nada.

Nada.

 



Escrito por Adoradora às 23h49
[] [envie esta mensagem]



Meu catamarã navega por outras águas

aos meus olhos, turvas;

aos dele, mansas.

Cumpre seu destino

E sequer lamenta o vulto que deixou para trás

no cais

nas pedras do cais

em curta espera

por outra embarcação

que chega, e irá partir

e navega...



Escrito por Adoradora às 21h11
[] [envie esta mensagem]



Ando a ver fantasmas.

Abro os olhos, eles aparecem.

Fecho, estão ali.

Em frente ao espelho,

deparo-me com outro.

Mas esse conheço,

de outros áureos tempos.

Vinde, vinde,

que deixastes saudades...



Escrito por Adoradora às 21h05
[] [envie esta mensagem]



Ao meu garoto

 

Neste último ano, mesmo distante, vi meu menino crescer. Senti o adulto brotando, e já não sem tempo, pois que ele hoje completa 27 anos e já tem um delicioso fruto com cinco. Percebi sinais de maturidade em textos que trocamos graças à internet. Encontrei uma malícia diferente da que estava acostumada a ver nesse menino. Descobri um profissional se formando, preocupado com o futuro. Vi João preocupado. Vi que ele descobriu que a fada Sininho tinha tomado outros rumos na vida e não mais o perseguia tão de perto, e então ele teve que aprender a voar sozinho. E começou a sentir os tombos, assim como começou a aprender a se levantar. Sozinho.

 

 



Escrito por Adoradora às 10h20
[] [envie esta mensagem]



Já que resolveu crescer, menino, é bom estar preparado. Essa vida do lado de cá é dura, complexa, rotineira. Tem vilões muito mais cruéis que o Capitão Gancho. Mas o crocodilo do tic-tac permanece, a todo tempo, nos assombrando perpetuamente, nos rondando, nos lembrando que a vida passa, e muito rapidamente.

Ontem eu tinha 15, hoje tenho 35. Juro, João: foi num instante. Mas sem lamentos: a gente aprende, naturalmente, a lidar com a rotina, com o passar dos dias, com a luta pela sobrevivência. Alguns, mais leves, conseguem fazer tudo isso e ainda se sentirem felizes, fazendo com que os olhos não percam o brilho a cada nova descoberta. Outros, mais densos, só enxergam os obstáculos e os inúmeros motivos existentes – de fato – que trazem mágoa, rancor, desesperança. Conheço os dois tipos, e preferi ser como o primeiro. E espero que você também escolha esse caminho – aliás, a felicidade é mais que um caminho, é um objetivo.

 

 



Escrito por Adoradora às 10h20
[] [envie esta mensagem]



Pronto, João, sinto que você finalmente tomou para si o leme de sua vida. Pode parecer às vezes que você não está preparado. Muitas vezes você vai se sentir inseguro. Mas creia em você, na sua capacidade, na sua integridade. Eu creio. Em você.

Meu menino, eu te amo. Demais. E não adianta crescer, não adianta amadurecer, não adianta ficar velho. Para mim, você é e será, sempre, meu menino. E vou te amar sempre, mesmo quando estiver te dando bronca, mesmo quando quiser te esganar. Porque o amor não é feito só de “sim”, de aceitação. É necessário dizer não. Espero que você compreenda meus “nãos”, e espero que um dia você também me diga “não”. Isso é vida, isso é amor, isso é amadurecimento.

Beijos, meu menino. Sê feliz!

Da tua irmãe, Cláudia.



Escrito por Adoradora às 10h19
[] [envie esta mensagem]



Desisto.

a vida que levo não é minha,

não a inventei, não a sonhei,

abri mão das escolhas possíveis,

larguei-me nela, e só.

O orgulho me leva a crer

que ao menos estipulei minhas regras mínimas

- justificativa falsa para uma vida falsa...

 

 



Escrito por Adoradora às 02h25
[] [envie esta mensagem]



sou ana de amsterdã

ou uma hera venenosa?

quem sabe a carolina de olhos tristes?

ou a bárbara amante?

a doce luíza?

uma das mulheres de atenas?

será que sou moça, será que sou triste, será que sou de éter? será o contrário?

sou a rosa dos braços ou a lia do barco?

ou sou a anabela que parte para não voltar nunca mais?

sou todas, e não sou nenhuma.



Escrito por Adoradora às 16h12
[] [envie esta mensagem]



Vinicius

Belíssimo filme: Vinicius.

 

Como pode haver tanta poesia, musicalidade e amor à vida como existia no nosso poetinha?

 

“Amizade não se faz: se reconhece”

O Vinicius deve ter sido o amigo que todo mundo gostaria de ter. Generoso, amoroso, divertido, em paz consigo e com o mundo. O amigo de confessionário e de bar, ideal para o choro e para a alegria, para revitalizar o que há de mais interessante em nós; o que lembra que a vida é boa sim, mas que a tristeza faz parte dela, e que isso é bonito.

 

“Que me perdoem as feias, mas beleza é fundamental”

O Poeta amava as mulheres, mas acima de tudo, amava o amor. Vendo as mulheres que teve, as nove com que se casou, sua polêmica defesa à beleza ganha outro sentido, bem mais nobre: a beleza é um conjunto, uma harmonia; e quem não ama isso tudo?

 

“É melhor ser alegre que ser triste, alegria é a melhor coisa que existe”

Vinicius detestava os que preferiam ver o lado negativo da vida. Mas se reconhecia como um aspirante à felicidade, que buscou em tudo: na bebida, nas amizades, nas paixões, na música, no teatro, na poesia. Ciente da dificuldade de ser feliz, consagra a alegria como mandatária de seu destino, e conclama o povo a enxergar as pequenas coisas da vida como grandes bênçãos do dia-a-dia.

 

“Que seja mortal, posto que é chama; mas que seja infinito enquanto dure”

A coragem de romper barreiras e estigmas no amor marcou a vida de Vinicius. Segundo os amigos, amava como um louco, se inebriava, mergulhava fundo em cada novo despertar do coração. E largava uma pela outra, tão logo percebia-se fisgado mais uma vez. Ele se explica: “quando amo, dou tudo de mim para este amor. Quando ele acaba, é porque não tenho mais nada a dar. Então, para que continuar?”.

 

Quem pagará o enterro e as flores se eu me morrer de amores?

Todos nós, Poeta, que o amamos.

 

 



Escrito por Adoradora às 00h00
[] [envie esta mensagem]



Parece não ter fim o descaramento dessa sociedade que a gente vive.

Ver hoje a imagem de Suzane de jeans e camiseta, sem algemas,

ao lado de seus dois cúmplices pobres, alegemados e com roupas de presidiários,

embrulhou-me o estômago.

A filha que matou os pais é uma garotinha ingênua, dizem seus advogados;

vai ver que a escrota sou eu, que ao invés de matar, amo os meus.

Mas não sou rica.



Escrito por Adoradora às 09h54
[] [envie esta mensagem]



Como é difícil, por vezes, arcar com as responsabilidades das escolhas feitas...

Conseqüências duras demais, exigências demais, consciência demais.

Sem arrependimentos, só que a dor da ausência muitas vezes pesa. Demais.

E esse ar frio me arrebenta. Preciso do brilho do sol. E de seu calor. Preciso.



Escrito por Adoradora às 09h48
[] [envie esta mensagem]



Queixume

Ando me queixando muito da vida, mas sei que estou sendo injusta.

Pensando bem, todas as coisas que estão me incomodando hoje são

frutos de minhas escolhas, das quais não me arrependo, e, por isso mesmo,

 não tenho o direito de reclamar. A liberdade exige um preço alto, isso todo

 mundo sabe. Mas viver sem liberdade é ainda mais insuportável para mim.

Queixo-me de ter perdido um amor, mas amor verdadeiro não se perde,

e não quero nada falso. Reclamo de ter poucas amizades, mas as que tenho

estão tão vivas e presentes em mim... O trabalho não está do jeito que quero,

 mas nada na vida é exatamente como queremos. Falta grana para algumas

coisas, mas sobra para outras.

E vivo. Estou viva, e com o prazer de estar em paz com minha consciência;

a satisfação de ter bons princípios e segui-los, custe o que custar; a alegria de

ser fiel a mim mesma e aos que considero que mereçam minha fidelidade.

Vê? Queixo-me sem razão.

 

 



Escrito por Adoradora às 23h54
[] [envie esta mensagem]



Texto do Millôr

"Na deixa da virada do milênio, anuncia-se um revolucionário conceito de tecnologia de informação,

chamado de Local de Informações Variadas, Reutilizáveis e Ordenadas - L.I.V.R.O.

Ele representa um avanço fantástico na tecnologia. Não tem fios, circuitos elétricos, pilhas.

Não necessita ser conectado a nada nem ligado.

É tão fácil de usar que até uma criança pode operá-lo. Basta abri-lo!

 Cada L.I.V.R.O. é formado por uma seqüência de páginas numeradas, feitas de papel

reciclável e são capazes de conter milhares de informações. As páginas são unidas por

um sistema chamado lombada, que as mantém automaticamente em sua seqüência correta.

 Através do uso intensivo do recurso TPA - Tecnologia do Papel Opaco - permite que os

fabricantes usem as duas faces da folha de papel. Isso possibilita duplicar a quantidade

de dados inseridos e reduzir os seus custos pela metade! Especialistas dividem-se quanto

aos projetos de expansão da inserção de dados em cada unidade. É que, para se fazer

L.I.V.R.O.s com mais informações, basta se usar mais páginas. Isso, porém, os torna mais

grossos e mais difíceis de serem transportados, fato que atrai críticas dos adeptos da portabilidade

do sistema.

 Cada página do L.I.V.R.O. deve ser escaneada opticamente, e as informações transferidas

diretamente para a CPU do usuário, em seu cérebro. Lembramos que quanto maior e mais

complexa a informação a ser transmitida, maior deverá ser a capacidade de processamento do usuário.

 Outra vantagem do sistema é que, quando em uso, um simples movimento de dedo permite o

acesso instantâneo à próxima pagina. O L.I.V.R.O. pode ser rapidamente retomado a qualquer

momento, basta abri-lo. Ele nunca apresenta "ERRO GERAL DE PROTEÇÃO", nem precisa ser

reiniciado, embora se torne inútil caso caia no mar, por exemplo.



Escrito por Adoradora às 16h01
[] [envie esta mensagem]



(continuação...)

 

O comando "broxe" permite acessar qualquer página instantaneamente e avançar ou retroceder

com muita facilidade. A maioria dos modelos à venda vem com o equipamento "índice" instalado,

o qual indica a localização exata de grupos de dados selecionados.

 Um acessório opcional, o marca-páginas, permite que você acesse o L.I.V.R.O. exatamente no local

 em que o deixou na última utilização, mesmo que ele esteja fechado. A compatibilidade dos

marcadores de página é total e permite que funcionem em qualquer modelo ou marca de L.I.V.R.O. ,

sem necessidade de configuração. Além disso, qualquer L.I.V.R.O. suporta o uso simultâneo de

vários marcadores de página, caso seu usuário deseje manter selecionados vários trechos ao

mesmo tempo. A capacidade máxima para uso de marcadores coincide com o número de páginas.

 Pode-se ainda personalizar o conteúdo do L.I.V.R.O., através de anotações em suas margens.

Para tanto, deve-se utilizar de um periférico de Linguagem Apagável Portátil de Intercomunicação

Simplificada - L.A.P.I.S..

 Portátil, durável e barato, o L.I.V.R.O. é apontado como o instrumento de entretenimento e

cultura do futuro. Milhares de programadores desse sistema disponibilizaram vários títulos

e upgrades para a utilização na plataforma L.I.V.R.O."



Escrito por Adoradora às 16h00
[] [envie esta mensagem]




[ ver mensagens anteriores ]